Sónia, a minha Companheira...


"O movimento faz meu coração continuar, o que faz continuar o outro.

Porque tenho eu que voar sobre cada lugar, acima e abaixo da linha?
Eu morrerei lá nas nuvens!
(...)

Onde me encontrarei com o destino?
Em Juramentos que foram e são feitos, para serem quebrados. Onde sentimentos são intensos, palavras são triviais, prazeres permanecem e as trocas não são para fazerem sentido.
E quando me encontrar com o meu fim? Nesse momento não saberei se esquecerei do Mundo à minha volta, se me concentrei no que recebi e se os meus cinco sentidos estiveram em parceria com o desfrutar da troca.

Sei que fizemos trocas e que, para além da clave de sol, temos a clave de fá e dó... E que com essa variedade só temos a beneficiar. No fim, a pauta das nossas trocas vai estar cheias de notas musicais."




Um dia, foi-me deixado este comentário num post. Hoje faz-me sentido pensar e reflectir o que contempla, qual o seu sentido.
O certo é que a minha Companheira, como lhe chamava, se encontrou com o seu destino!
Como um dia lhe disse: "Acredito que nos esquecemos, mas o ideal era levarmos connosco tudo o que recebemos!"

Companheira, a nossa música fica por aqui, porque só fazia sentido continuar a compô-la contigo por perto.
Vou ouvi-la repetidamente sempre que te recordar e guardá-la-ei comigo para a cantar enquanto lembrança!



Vou ter saudades tuas!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Amigos de ocasião?! Não, obrigado!

Pés

Bolinhas de Berlim