quarta-feira, setembro 24, 2008

Teoria de cortejo

Antes de mais quero explicar o título deste post.

Dei-lhe o título de "Teoria de cortejo" e não "Teoria do cortejo", porque caso fosse "do cortejo" implicaria uma grande bagagem de corte e corria o risco de ficar aquém nalgum ponto. Assim, não corro o risco de falhar pois desenvolverei em palavras uma mera teoria opinativa.


Esta teoria de cortejo tem que, necessariamente, vir acompanhada de definições importantes: definições de um dicionário.

teoria - s.f. Conhecimento especulativo, ideal, independente das aplicações. / Conjunto sistematizado de opiniões, de ideias sobre determinado assunto.

corte - s.f. Fazer a corte (a alguém), lisonjear, cortejar ou namorar (essa pessoa).

cortejador - adj. e s.m. Aquele que corteja demasiadamente, cumprimenteiro. / O que faz a corte a alguém.

cortejar - v.t. Fazer cortesia, cumprimentar. / Requestar, galantear: cortejar uma dama.



Esta teoria surgiu há cerca de um ano, mais precisamente, na primeira semana do mês de Outubro do ano de dois mil e sete, numa esplanada algarvia.
Em conversa com o Pedro chegámos a uma conclusão brilhante:
Quando um cortejador é cortês com uma dama, vulgo rapariga, tendo para com ela grandes actos de cortesia normalmente impressiona. Se isso não acontecer é porque a corte não é a certa para aquela pessoa.

O cortejador tenta sempre impressionar, e há sempre aqueles sinais que nos dizem que estamos perante uma corte e não um mero café amistoso. Foram esses sinais que nós analisámos e, depois de juntarmos algumas peças de puzzle, chegámos a um porto que se assemelha a uma construção de vanguarda do mundo oriental.
Nesta teoria defendo que o mais normal é ser o SER do género masculino o cortejador e o SER do género feminino o cortejado (a menos que se trate de um cortejo homossexual).
Um rapaz e uma rapariga sentados nessa mesma esplanada causaram o despoletar de toda esta teoria de cortejo. Ele ia proferindo palavras no sentido de ser cortês e ela respondia como se as palavras da pessoa com quem comunicava fossem algo de transcendente, e ao mesmo tempo sorria.
Ora, estou em crer que aqueles dois acabaram a namorar... A predisposição dela não enganava. Oxalá sejam felizes!
As palavras e as expressões de quem está a ser cortejado, normalmente, não conseguem ludibriar pessoas atentas a este fenómeno que agora teorizo.

As frases que aqui vou escrever são uma pequena amostra de uma boa receptividade do cortejo por parte da cortejada.

Tu não és normal!
Tu
não existes!
tu...
tu para me fazeres rir.
Não acredito, és louco!
És demais!
Opah (com um olhar envergonhado)...

É usual, durante a corte (bem feita), o cortejador ouvir frases deste tipo.
Caros cortejadores, quando ouvirem alguma destas expressões durante o vosso cortejo, sigam em frente e acreditem que é possível. Verifique-se que todas elas mostram um certo encanto e rendição do SER cortejado.
Se alguém estiver em posição de querer acrescentar frases enriquecedoras eu agradeço.
Às minhas amigas: sejam mais comedidas nas vossas frases, mesmo quando estiverem impressionadas. Não mostrem logo a vossa predisposição.

Esta teoria não pode ter limitações, tem de ser "trigo limpo". Há quem julgue que às vezes as palavras do cortejado podem ter um sentido dúbio, mas à luz da minha psicanálise tal não se verifica. Aqui não há limitações, é assim e mais nada.


4 comentários:

Anónimo disse...

Só tenho a dizer: AHAHAHAHAHAHAHAHAHAH és o terror dos mais terroríficos!!!

Anónimo disse...

LOLOL Este texto está com uma certa piada e também com uma certa razão primo!
Gostei..andas com as ideias apuradas=P
Contudo, falta-te um importante a cortejada 'bater' no cortejador na brincadeira, quando tal acontece está o enrolanço feito!!

Beiji primo tonti:)

Cecília disse...

Opá "...q louco!"
Opá "...tu n és normal"
Opá "...tu n existe"

AH AH AH M Q FOFO!!

És cá um convencido de primeira categoria...
M vout já estragar a teoria ah e tal do cortejo... as tais frases q p ti significam mtooo p mim, e tenho a certeza p muitas outras raparigas, nada significam... eu por exemplo utilizo-as em quaisquer circunstancias e c todas as pexoas e mais algumas...
Conclusão: DEIXAT DE TEORIAS OH CAIXA D'ÓCULOS!!!

Faleiro disse...

Há pessoas a quem a carapuça serve na perfeição!

Eu e o meu amigo Pedru não andamos a divagar pelo hipotético à toa, oh Cessas...
E já agora, se utilizas estas expressões em quaisquer que sejam as circunstâncias é porque és uma oferecida. AHAHAHAH!