Avançar para o conteúdo principal

Do verbo acalentar

Acalento (não poderia começar este texto por outra palavra)!

É um verbo e conjuga-se da forma que quisermos, no passado, no presente ou no futuro... Seja no modo indicativo ou até mesmo no modo conjuntivo (espero que não!).

Ainda não decidi o que farei quando chegar o momento, de que forma irei reagir mas uma coisa é certa, espero que isso aconteça (que é como quem diz: eu acalento!)

Houve momentos em que perdi a esperança e deixei de acalentar e de dar asas a esse sonho tão bonito! Conjuguei esse verbo no presente e, num ápice, por minha causa, passou a ser passado.
Hoje conjugo-o no futuro do indicativo (com a certeza de que irá acontecer).

Não escolhi a forma de organizar tudo, não.
Definir prioridades e cumprir regras impostas nem sempre é fácil. Pensar de A-Z?! Escolher autores para nos ajudarem?! Separar por temas?!

Não sei tampouco de que forma colorir este sonho.

No momento, certamente, saberei escolher a que se enquadra melhor e de que forma organizarei todos aqueles livros naquela que será a mais bela estante!

Até lá, acalentarei o sonho de a ter e de a preencher (não interessa como).


Marco

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Pés

Todos nós gostamos de umas coisas (gostos) e desgostamos de outras (agostos, para não chamar “desgostos”).

Se há coisa que eu desgosto são pés, diria mesmo que odeio. Para mim é das partes do corpo humano que mais confusão me faz.
Sou observador e, inevitavelmente, olho para os pés que se atravessam no meu campo visual.

Não suporto que alguém me toque com os pés, sejam que pés forem... É de causar repugnância, de dizer “Que nojo!”, ter vontade de fugir e de espancar essa pessoa, de ter necessidade de tomar um banho...
É que os pés, para além de serem uma parte do corpo que nos serve apenas para nos mantermos em pé, andam quase sempre dentro de algum sapato ou de uns ténis, a suar, a criar o sulfato-de-peúga (o famoso chulé)…

Há aquela malta que assim que pára de chover anda logo de chinelinho no pé.
Há aquelas pessoas que não cortam as unhas para poderem ir à maré apanhar berbigão.
Há aquelas pessoas que têm os pés deformados.
Há quem os tenha tão feios que parece ter amendoins em vez de dedo…

Bolinhas de Berlim

Com poucas coisas para fazer ou com falta de vontade para fazer essas mesmas poucas coisas decidi escrever, actualizar o blogue.
Nem sei por onde começar para contar esta história, se é que é uma verdadeira história... Depois de um período de férias no Algarve durante os primeiros catorze dias do mês de Agosto regressei a casa com algumas ideias para o blogue, ou melhor, para possíveis artigos “bloguescos”.
"Boleiro" a proferir a primeira sílaba de "Bolinhas"
Manta Rota, 2006

Na verdade são apenas dois ou três artigos. Falarei dos restantes quando me apetecer escrever, divagar em cenas, perdoem-me o termo, patetas.


Como já deves ter reparado no título vou falar de “Bolas de Berlim”.

E porquê as “Bolas de Berlim”?

Eu respondo...

A “Bola de Berlim” é aquele bolo fantástico que qualquer criança gosta, ou gostava... pelo menos há 15 anos era assim. Ir a um café (pastelaria era um termo muito chique) olhar para a montra dos bolos e ver lá aquele açúcar todo e o creme de ovos a …