segunda-feira, abril 13, 2009

Oportunidades para trocar, o dar e receber


A vida é feita de momentos, todos o sabemos. Os momentos são fugazes e dão-nos oportunidades que, uma vez passadas, não voltam. As oportunidades são oportunidades no momento em que aparecem. Quando voam são como um relógio... O tempo que não volta atrás! Às vezes podemos controlar o relógio e saber o que vai acontecer, podemos aproveitar a oportunidade. Outras vezes estamos de olho nele e vemos os segundos a passarem, queremos que o tempo pare para que possamos guardar aquele momento que queremos que seja nosso, queremos ter a oportunidade de poder contemplar um voo, um voo em que somos espectadores, mas ele não pára: passa, foge, corre...

É óbvio que a vida é feita de trocas e raras são as excepções de quem dá sem querer, pelo menos, um "Obrigado!".
Já diz o ditado popular:
"Neste Mundo, ninguém dá nada a ninguém!"

É por isto que sou apologista de trocas. O valor de cada gesto ou bem material fica para cada pessoa avaliar a seu belo prazer.
Quando damos estamos a voar para alguém, e quando recebemos estamos a observar a beleza intrínseca ao voo de alguém, como se tivéssemos asas.

Quando damos podemos ser poetas, cantores, físicos, químicos, matemáticos, cientistas, informáticos, pintores, o que quisermos... no fundo somos um SER voador, um ser que à semelhança de uma borboleta que só quer impressionar...

Quando recebemos somos aquilo que os nossos cinco sentidos fazem de nós. Somos um SER que contempla um voo, alguém que esquece o Mundo à sua volta para se concentrar no que está a receber.

Bom, bom é quando encontramos quem troque connosco sensações, quem faça de nós espectadores, quem queira ver-nos actuar, alguém que nos faça sentir parte do Mundo.


Podemos cantar sonhos e esperar que um dia se tornem momentos reais, esperar que as notas da pauta consigam, em harmonia, criar um elo melodioso, encontrar o compasso e o ritmo idealizados, ter a clave de sol perfeita... Podemos esperar que uma fada encante as noites, como faz a Fada Oriana. Ou contar segredos e esperar que permaneçam no canal auditivo do receptor...


Temos de aprender a dar os passos correctos, mas para que isso aconteça, de vez em quando, temos de ir dando umas cabeçadas (para acordarmos)... Quando aprendermos a andar em terreno movediço saberemos como agarrar cada oportunidade, cada voo. Com o tempo sairemos dos terrenos instáveis e, com toda a certeza, seguiremos em frente... voaremos junto de ALGUÉM!


Somos feitos de sonhos, de trocas e das oportunidades que vão surgindo...


3 comentários:

PLF disse...

Pareces o Manuel Machado a divagar...

carla não faleiro disse...

Concordo com o esponjo. Estás a perder o tópico no meu de tanto conhecimento geral...

Anónimo disse...

O movimento faz meu coração continuar, o que faz continuar o outro.
Porque eu tenho que voar, sobre cada lugar acima e abaixo da linha?
Eu morrerei lá nas nuvens
E tu que eu defendo, eu….
Onde me encontrarei com o destino? Em Juramentos que foram e são feitos, para serem quebrados. Onde sentimentos são intensos, palavras são triviais, prazeres permanecem e as trocas não são para fazerem sentido.
E quando encontrar-me com o meu fim? Nesse momento não saberei se esquecerei do Mundo à minha volta, se concentrei-me no que recebi e se nos meus 5 sentidos tiveram em parceria com o desfrutar da troca.
Sei que fizemos trocas, e que para além da clave de sol temos a clave de fá e dó….E que com essa variedade só temos a beneficiar com isso e que no fim a pauta das nossas trocas vão estar cheias de notas musicais.